Estado, desenvolvimento e panorama social na América Latina

análise de indicadores em países selecionados - Brasil, Argentina, Chile, México e Colômbia

  • Silvio Barboza UFSC
  • Josiane Mendes
  • Henrique Campos
Palavras-chave: desenvolvimento econômico, América Latina, indicadores sociais

Resumo

O presente estudo tem como objetivo apresentar e analisar indicadores de desenvolvimento econômico do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia e México. Realiza-se pesquisa de cunho descritivo com abordagem analítica sob perspectiva histórica-comparativa. Recorrem-se a fontes de informações, dentre as quais as fornecidas pela base de dados da CEPAL. Os resultados apontam países com maiores indicadores em IDH, Chile e Argentina; em participação de gastos em educação em relação ao PIB, Brasil e Argentina; em concentração de renda, Brasil e Chile, em extrema pobreza, Brasil e Colômbia; em menor índice de analfabetismo Argentina e Chile; e em mortalidade infantil, Brasil e Colômbia. Estudos dessa natureza são instrumentos para gestores públicos implementarem ações para mitigar condições que limitam o desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvio Barboza, UFSC

Doutorando em Administração pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, linha de pesquisa: Organizações e Sociedade (2020); Mestre em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2018), Linha de pesquisa: Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho; Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas e Psicologia Organizacional pela Universidade Metodista de São Paulo (2015); Graduação em Administração pela Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA (2014) e em Teologia pela Escola Superior de Teologia - EST (2009). No exercício da docência desde 2005 (em cursos técnicos e de qualificação profissional), e em 2019, no Ensino Superior.

Referências

ALMEIDA, J. E. Subdesenvolvimento e dependência: uma análise comparada de Celso Furtado e Fernando Henrique Cardoso. Orientador: Pedro Cezar Dutra Fonseca. 2009. 204 f. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.
BIELCHOWSKY, R. Cinquenta anos de pensamento na CEPAL: uma resenha. In: BIELCHOWSKY, R. (org.) Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, v. 2, p.15-68, 1988.
BIELCHOWSKY, R. Sesenta años de la CEPAL y el pensamiento reciente. In: BIELSCHOWSKY, R. (org.). Sesenta años de la CEPAL: textos seleccionados del decenio 1998-2008. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2010.
BRESSER-PEREIRA, L. C. Estratégia nacional de desenvolvimento. Revista Economia Política, São Paulo, v. 26, p. 203-230, 2006.
BRESSER-PEREIRA, L. C. Globalização e catching up, Globalização e competição – por que alguns países emergentes têm sucesso e outros não? Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.
COLISTETE, R. P. O desenvolvimentismo cepalino: problemas teóricos e influências no Brasil. Estudos avançados, v. 15, p. 21-34, 2001.
CHANG, H. An institutionalist perspective on the role of the state: towards an Institutionalist Political Economy. In: BURLAMAQUI, L.; CASTRO, A. C.; CHANG, Ha-Joon (eds.). Institutions and the Role of the State. Aldershot: Edward Elgar, 2000.
CHANG, H-J. Como os países ricos enriquecem de fato? In: Chutando a escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: Editora UNESP, p.11-28, 2004.
CHANG, H-J. Políticas de desenvolvimento econômico: perspectiva histórica das políticas industrial, comercial e tecnológica. In: Chutando a escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: Editora UNESP, 2004.
EVANS, P. El estado como problema y como solución. Desarrollo Económico. Revista de Ciencias Sociales, vol. 35, n. 140, enero-marzo, 1996.
FAJNZYLBER F. Propuesta CEPAL para los 90: el medio ambiente en la transformación productiva con equidad. In: SCHWEMBER, H, (ed.). Protección dei media ambiente Seminario AJC-TECNIBERJA 1990, Santiago CEPAL/TECNIBERIA/AIC, p 43-49, 1990.
FIORI, J. L. Introdução: de volta à questão da riqueza de algumas nações. In: FIORI, J. L. (org.). Estados e moedas no desenvolvimento das nações. Petrópolis, 1999.
FURTADO, C. O subdesenvolvimento revisitado. Economia e Sociedade, v. 1, ago., p. 5-19, 1992.
GRANATO, L. Brasil, Argentina e os rumos da integração: O MERCOSUL e a UNASUL. 1ª ed. Curitiba: Appris, 2015.
IGLESIAS, E. V. O papel do Estado e os paradigmas econômicos na América Latina. Revista CEPAL, p. 45-53, 2010.
MOREIRA, A. G. M. A criatividade na busca pela superação do subdesenvolvimento: Celso Furtado, cultura e desenvolvimento endógeno.2015. 185 f. (Dissertação em Economia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Socioeconômico – Programa de Pós-Graduação em Economia, Florianópolis, 2015.
PAIVA, S. C. F. Estratégias de política industrial e desenvolvimento econômico: ideias e ideais de Fernando Fajnzylber para a América Latina. 2006. 308 f. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia, Campinas, 2006.

PRADO, F. C. História de um não-debate: a trajetória da teoria marxista da dependência no Brasil. II Curso sobre conjuntura latino-americano, Imperialismo, e a conjuntura político-econômica de nosso continente. Seminário - Teoria marxista da dependência no Brasil: de Ruy Mauro Marini aos dias de hoje, nov. 2010.
RODRIGUES, O. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p. 587-622, 2009.
SILVEIRA, M. G.; ANGELI, E. Uma reflexão sobre o início da Cepal e seu contexto. Revista Economia Ensaios, v. 34, n. 2, 2020.
Publicado
2021-09-12
Como Citar
Barboza, S., Mendes, J., & Campos, H. (2021). Estado, desenvolvimento e panorama social na América Latina: análise de indicadores em países selecionados - Brasil, Argentina, Chile, México e Colômbia. Revista Catarinense De Economia, 4(2), 115 - 138. Recuperado de https://www.apec.pro.br/rce/index.php/rce/article/view/96